terça-feira, 17 de julho de 2007

Auto psicografia

Auto psicografia

Eu, que daria tudo pra de algum modo te esquecer
Agora nem seu rosto me é familiar
Me encantei, me iludi, e vou viver
Vou parar com essa historia de sempre ganhar
Eu, que nunca via gente
Que procurava calor humano, um corpo ardente
Eu, que de algum modo só vivo poesia
Eu, que queria mudar tudo mas não podia
Eu, que sento toda tarde
Pra ser mais culta, ler Charlies Darwin
Eu, que sobrevivi entre os náufragos
Enquanto estás mais longe de mim que Galápagos
Eu, que amo magia, encanto e fascinação
Eu, que ainda estou com a alma em construção
Eu, que queria ser Potter ou Radcliffe
Levada a um mar distante, um arrecife
Eu, que posso escrever memórias póstumas
Eu, que acredito que as alegrias estão próximas
Eu, que tenho em mim tantos sonhos pelo caminho
Vou esperar, até o céu tornar-se azul-marinho
Vou esperar alguém que eu não sei
Se vai chegar, se existe ou se vai entender
Vou esperar, como quem preenche um passaporte
Que só tem certeza que no fim existe a morte
E que talvez a morte nem seja um final
Alguém que não consegue sequer lhe fazer mal
E que ainda espera, e vai aguardar
Você, neste anoitecer espetacular

Um comentário:

mateus müller disse...

Gostei...

Incomum ao seu estilo...bju